21 maio 2009

Cegueira por doença na córnea é reversível

O uso de tecnologia avançada aplicada à oftalmologia consegue evitar a progressão de doenças da córnea e devolver a visão a muitos pacientes.
A córnea é um tecido localizado na frente do olho (de forma grosseira, podemos compará-la ao vidro de um relógio), sendo um dos fatores responsáveis pela boa visão. Doenças da córnea podem afetar a capacidade visual das pessoas, levando até mesmo à cegueira. Graças ao desenvolvimento da oftalmologia, hoje podemos intervir na evolução da maioria das doenças, proporcionando boa visão a muitos pacientes.

LENTES DE CONTATO ESPECIAIS

Em diversas doenças ocorre baixa de visão por comprometimento da forma da córnea. Modificada por doença genética - como o ceratocone - ou por cicatrizes causadas por acidentes ou infecções, a córnea deformada ocasiona um borramento visual que não pode ser corrigido nem com uso de óculos, nem com lentes de contato gelatinosas. O uso de lentes especiais, como a Sopper modificada, contribui para uma importante melhora na qualidade de vida dos pacientes com ceratocone. Estas lentes são feitas especificamente para córneas muito irregulares e obtém-se, com a sua adaptação, conforto e qualidade visual para as atividades diárias, o que antes não se alcançava com o uso de lentes normais. A disponibilização dessas lentes proporciona melhor visão por um tempo mais longo, ostergando ou até mesmo evitando a indicação do transplante de córnea.

TRANSPLANTE DE CÓRNEA

O transplante é indicado nos casos em que a redução significativa da transparência da córnea é impossível de ser corrigida por outros meios, e em casos graves de ceratocone (que não podem ser neutralizados com uso de óculos ou lentes de contato). Como normalmente a córnea não apresenta vasos sanguíneos, este tipo de transplante têm baixo índice de rejeição, apresentando ótimos resultados. Na maioria dos casos, os pacientes não são submetidos a um processo de imunossupressão sistêmica como ocorre com os transplantes de outros órgãos e tecidos.

TRANSPLANTES LAMELARES

As doenças da córnea podem atingir diferentes camadas. O avanço das técnicas de transplante possibilita, atualmente, o tratamento seletivo apenas da camada da córnea que apresenta alteração. Ou seja: se há deformação da parte anterior (lamela anterior) substitui-se somente esta parte. Já quando a doença localiza-se no endotélio (lamela posterior) - como na Distrofia de Fuchs - substitui-se apenas esta camada. A preservação da parte normal da córnea favorece o resultado visual e a segurança do procedimento. Mas nem todos podem ser submetidos a essa técnica. Somente uma análise criteriosa poderá avaliar a melhor técnica para cada caso.

CROSSLINK DA CÓRNEA

Uma novidade no tratamento de doenças da córnea é o crosslink. Esta técnica visa fortalecer a córnea com o objetivo de impedir sua deformação. Ao primeiro sinal de alteração da forma, a terapia deve ser empregada. Muitos pacientes com ceratocone, que antes não dispunham de nenhuma alternativa para previnir a evolução da doença, podem ser beneficiados com esta técnica.
O avanço da oftalmologia, especialmente no tratamento de doenças da córnea, proporciona à maioria dos pacientes, uma reabilitação visual rápida e segura. Ainda que a prevenção de traumas ou infecções da córnea seja fundamental para manter os olhos de nossa população saudáveis, a tecnologia disponível já consegue alcançar resultados visuais excepcionais, devolvendo mais qualidade de vida às pessoas. Portanto, não descuide da saúde dos seus olhos, visitando regularmente o seu oftalmologista.

.
Revista Veja - Maio/2009 - Dr. Jorge Paulo Oliveira

3 comentários:

Monique Rosa disse...

Isso tudo grita:Doar órgãos!

*Nossa esse aparelho parece ser tão grosseiro pra um orgão tão sesivel.

Erica disse...

Isso tudo grita:Doar órgãos! [2]

Fabíola disse...

Alice, gostei do seu comentário. Pode corrigir os erros o quanto quiser. Eu agradeço a sua correção. Agradeço mesmo. É que sempre me confundo se de repente é junto ou separado. Gostei da criticidade do seu comentário.