23 junho 2008

Depoimento de Lenilson Costa

Descobri meu Ceratocone com 18 anos, ou melhor, não descobri o Ceratocone, e sim que enxergava extremamente mal sem perceber o estado grave em que me encontrava.
Fui indicado a passar em um Oftalmologista, acabei passando em vários e todos trataram como astigmatismo e miopia. O único que acertou de fato sobre o Cerato falou que eu tinha apenas mais ou menos "3 meses de visão" e que depois disso ficaria possivelmente cego.
Acertou na doença e errou totalmente sobre a cegueira.

Por isso aconselho sempre que possível consultar com mais de 2 Oftalmos.
Passei o diabo pra me acostumar a usar lentes, os primeiros anos foram terríveis, lentes de péssima qualidade que caiam quando abaixava a cabeça para ler algo, não usava e sempre recebia broncas da minha mãe, rss.
Deveria ter levado a sério, só depois da morte dela percebi o quanto estava certa.
Usei lentes por mais de 10 anos, deixei de fazer várias coisas nesse tempo, perdi várias promoções em trabalhos e consequentemente uma evolução profissional... sempre tinha Ceratites e Photofobia, e por conta delas faltava.
Acho que o transplante demorou além da conta, mas como somos "leigos" temos que esperar a liberação dos Doutores para o encaminhamento até a fila.
Sentimos a nossa necessidade, mas nem sempre isso é levado muito em conta.
Fiz meu transplante a cerca de 1 Ano e 3 Meses, com a técnica Intralase no Hospital Oftalmológico de Sorocaba (fui a cobaia, rss... fiz o TX ainda em fase de testes, portanto quem se deu bem com ele pode depositar uma grana na minha conta, rss... brincadeira).
No começo tudo muito bom, tudo muito bem...sai de um astigmatismo e uma miopia enorme, mais de 20, fiquei com 0,25 de astigmatismo e 1 de miopia.
Após alguns problemas com os pontos (alguns estouraram e outros ficaram frouxos), duas conjuntivites e duas rejeições o grau começou a variar, ia pra 5, hora ia pra 2,5, e hoje estabilizou em 3,5 de astigmatismo e 0,75 de miopia.
Pra quem enxergou tanto tempo na nevoa, esse grau atualmente é uma benção.
Lembro de quando sai do Hospital, já senti uma enorme diferença (não que a visão já estivesse perfeita e completamente limpa), mas vim olhando tudo, carros, placas, mato... até mesmo as faixas da estrada, parecia um louco alucinado que estava vendo tudo pela primeira vez.
Na primeira noite que dormi em casa após o transplante levantei e fui ver todos dormindo, meu pai e minhas irmãs, estava com saudade de ver o rosto de cada um sem as lentes.
Fiquei horas vendo o meu afilhado dormir, zelando pelo sono dele, nunca tinha visto e a sensação foi ótima.
Já viram um homem de 30 chorar? Pois é, chorei que nem criança essa noite, mas chorei de alegria.
Hoje sinto que dei um primeiro passo pra recuperar um pouco da minha vida, espero agora pela alta médica para poder transplantar a outra córnea e correr atrás daquilo que perdi e tocar a vida pra frente.
Espero que esse depoimento tenha ajudado ou ajude outras pessoas que tenham dúvidas ou medos.
Um abraço a todos.

LENILSON COSTA

Lenilson, ao longo desses meses em contato direto nas Comunidades de Transplante de Córnea, aprendi a admirá-lo pelas palavras de apoio e carinho que tens com todos.
Ao postar o teu depoimento me emocionei pela tua sensibilidade e amor.
Obrigada por compartilhar com todos a tua história.
Tenho certeza que tudo dará certo pra ti.

6 comentários:

Cássia Barbosa disse...

Nossa, que incrível teu blog. Muito legal ver histórias de sucesso assim. Esse blog é de grande utilidade pra muita gente.
Parabéns!!!

http://www.porta-joias.blogspot.com/

Cássia Barbosa disse...

Que bom que gostou do meu blog...
fique a vontade pra visitá-lo mais vezes...
Bjos!

Jemimma ~♥~ disse...

Nossa!! É realmente uma história muito emocionate! Eu não quero nunca ter que passar por isso, mas que Deus seja com esse homem e que tudo dê certo pra ele!!

Uma Otima visão... desejo a vc LENILSON!

♥Dirah♥ disse...

meu, sem palavras adorei o blog toh add nos meus links..
Parabéns

Tati disse...

Achei lindo esse depo. Também estou na fila de transplante desde junho/07. Eu não agüento mais esperar. O médico me colocou na lista pq eu pedi. Não se deve ter medo. Eu sei tudo que o Lenilson passou pq passo o mesmo e espero que minha história seja como a dele. Beijos

Meus filhos * dia-a-dia* disse...

Oi Lê...

apesar de morarmos muito perto, não sabia da sua história...

Vc é um batalhador. Passo a te admirar mais.

Abraço,

Lu